Add to Technorati Favorites
Domingo, 19 de Julho de 2009

Oração - Vigilia Vocacional e Missionária

Apresentamos agora, a Vigilia Vocacional e Missionária em 2007 pelos Missionários Combonianos, num sábado na Igreja da Misericórdia.

Através dapresentação dos textos da oração que se segue, os Missionários Combonianos tentaram explicar aos joevens um pouco daa sua Congregação - Combinanos, das suas missões e da importância de haver pessoas que ajudem outros em diversas tarefas em diversos pontos do mundo, evangelizando como Jesus Cristo fez.

 

Ambientação para a vigilia

Leitura (Marcos 4, 3-8)

Leitor 1: «Escutai: saiu o semeador a semear. Enquanto semeava, uma parte da semente caiu à beira do caminho;

Leitor 2: vieram as aves e comeram-na.

Leitor 1: Outra parte caiu em terreno pedregoso, onde não havia muita terra;

Leitor 1: os espinhos cresceram e sufocram-na e não deu fruto.

Leitor 1: Outras sementes caíram em boa terra...

Leitor 2:...e começou a dar fruto, que vingou e cresceu, produzindo trinta, sessenta e cem por um.»

 

1. Cântico Inicial

 

Presidente: Senhor Jesus, que pela acção do Espírito Santo continuais a lançar a semente, dá-nos um coração que saiba responder às surpresas inesperadas do Evangelho; Vós que sois Deus com o Pai na unidade do Espírito Santo.

 

2. Liturgia da Palavra

 

1.ª Leitura:

a) Medo (Ex. 6, 10-12)

Leitor 1: O Senhor falou a Moisés, dizendo: «Vais falar ao faraó, rei do Egipto para que deixe partir os filhos de Israel da sua terra.» Mas Moisés falou ao Senhor dizendo: «Eis que os filhos de Israel não me escutaram. Como vai então escutar-me o faraó, a mim que me custa tanto falar?»

 

b) Eu estou contigo! (Ex. 3, 10-12)

Leitor 2: Disse-lhe o Senhor: «O clamor dos filhos de Israel chegou até mim; vi também a violência com que os egipcios os oprimem. Agora põe-te a caminho, que Eu vou enviar -te ao faraó, para que tires do Egipt o meu povo, os filhos de Israel». Moisés disse a Deus: «Quem sou eu, parair à presença do faraó e tirar do Egipto é o sinal de que fui Eu que te enviei: quando tirares o povo do Egipto, adoreis a Deus neste monte.»

 

[Cântico]

 

2.ª Leitura:

 

a)  Ponto de interrogação...(Is. 6, 1.5.8a) 

Leitor 1:

No ano em que morreu Ozias, rei de Judá, vi o Senhor, sentado num trono alto e sublime; as frajas do seu manto enchiam o templo. (..) Então exclamei: «Ai de mim, que estou perdido, porque sou um homem de lábio impuros e os meus olhos viram o rei, Senhor do Universo.»(...) Ouvi então a voz do Senhor que dizia: «Quem enviarei? Quem irá por nós?»

[breve momento de silêncio]

 

 

 b) Eu estou contigo (Ex. 3, 7. 10-12)

Leitor 2: Disse-lhe o Senhor: «O clamor dos filhos de Israel chegou até mim; vi também a violência com uqe os egípcios os oprimiem. Agora põe-te a caminho, que Eu vou enviar-te ao faraó, para que tires do Egipto o meu povo, os filhos de Israel.» Moisés disse a Deus: «Quem sou eu, para ir à presença dofaraó e tirar do Egipto os filhos de Israel?» Deus respondeu-lhe: «Eu estarei contigo e este é o sinal de que fui Eu que te enviei: quando tirares do Egipto, adorareis a Deus neste monte.»

 

[Cântico]

 

2.ª leitura:

a) Ponto de Interrogação...(Is. 6, 1.5.8a)

Leitor 1: No ano em que morreu Ozias, rei de Judá, vi o Senhor, sentado num trono alto e sublime; as franjas do seu manto enchiam o templo. (...) Então exclamei: «Ai de mim, que estou perdido, porque sou um homem de lábios impuros; moro no meio de um povo de lábios impuros e os meus olhos viram o rei, Senhor do Universo.» (...) Ouvi então a voz do Senhor que dizia: «Quem enviarei? Quem irá por nós?»

 

 b) Sim...(Is. 6, 8b)

Leitor 2: Eu respondi: «Eis-me aqui: podesi enviar-me.»

 

[cântico]

 

3.ª Leitura:

a) Várias direcções...(Mt. 19, 16-22)

Leitor 1: Naquele tempo aproximou-se de Jesus um jovem que lhe perguntou: «Mestre, que hei-de fazer de bom para ter a vida eterna?» Jesus respondeu-lhe: «Porque me interrogas sobre o que é bom?» Bom é só um. Mas se queres entrar na vida eterna, guarda os mandamentos.» Ele perguntou: «Que mandamentos?» Jesus respondeu-lhe: «Não matarás, não cometerás adultério; não furtarás; não levantarás falso testemunho; honra pai e mãe; ama o teu próximo como a ti mesmo.» Disse-lhe o jovem: «Tudo isso tenho eu guardado. Que me falta ainda?» Jesus resondeu-lhe: «Se queres ser perfeito, vede o que tens e dá-o aos pobres e terás um tesouro nos Céus. Depois vem e segue-me.» Ao ouvir estas palavras, o jovem retirou-se entristecido, porque tinha muitos bens.

[Breve momento de silêncio]

 

b) Cristo...(Job. 6, 67b-68)

Leitor 2: Jesus disse aos doze: «Também vós quereis ir embora?» respondeu-lhe Simão Pedro: «Para quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna.»

[cântico]

 

4.ª Leitura:

a) Procura...(Lc. 19, 1-4)

Leitor 1: Naquele tempo Jesus entrou em Jericó e começou a atravessar a cidade. Vivia ali um homem rico chamado Zaqueu, que era chefe de publicanos. Procurava ver quem era Jesus, mas, devido à multidão, não podia vê-lo, porque era de pequena estatura. Então correu mais à frente e subiu a um sicómoro, para ver Jesus, que havia de passar por ali.

 

[breve momento de silêncio]

 

b) Encontro...(Lc. 19,5-10)

Leitor 2: Quando Jesus chegou ao local, olhou para cima e disse-lhe: «Zaqueu, desce depressa, que Eu hoje devo ficar em tua casa.» Ele desceu rapidamete e recebeu Jesus com alegria. Ao verem isto, todos murmuravam, dizendo: «Foi hospedar-Se em casa dum pecador.» Entretanto, Zaqueu apresentou-se ao Senhor, dizendo: «Senhor, vou dar aos pobres metade dos meus bens e, se causei qualquer prejuízo a alguém, restituirei quatro vezes mais.» Disse-lhe Jesus: «Hoje entrou a asalvação nesta casa, porque Zaqueu também é filho de Abraão. Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.»

 

Breve reflexão: "Deus e Tu..."

 

5.ª Leitura:

 

a) Sempre SIM...(Lc. 1, 38a)

Leitor 1 e 2: Maria disse então: «Eis a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra.»

 

[Em seguida cântico Magnificat enaquanto se mostra o cartaz do SIM de Maria]

 

3. Testemunho Missionário

[Aqui o Missionário comboniano apresenta-se aos jovens, sobre o que é ser Comboniano e como foram algumas das suas missões]

 

4. Rito de Paz

Leitor 1: Senhor Jesus, soias a nossa paz!

O nosso coração está convosco;

A nossa cabeça pensa em vós;

Os nossos olhos contemplam o vosso olhar;

As nossas mãos querem apertar as vossas.

Leitor 2: Senhor Jesus, como Moisés servirei o teu povo;

Como Isaías direi sim;

Como Pedro direi: «Tu tens palavras de vida eterna»;

Como Zaqueuabrirei a casa do meu coração;

Como Maria direi: «Eis a escrava do Senhor.»

 

Leitor 1 e 2: Senhor, neste momento decido-me pelo teu reino que é de amor e de paz.

Presidente: A paz do Senhor esteja sempre convosco.

Todos: Ele está no meio de nós.

Presidente: Demos um abraço de paz e fraternidade uns aos outros.

 

5. Preces

Presidente: 2Vai falar ao faraó, rei do Egipto, para que deixe partir os filhos de Israel a sua terra."

Senhor, perante o teu apelo, ajuda-nos a não termos medo e a não recusarmos o teu convite.

Faz-nos compreender que o teu chamamento continua a ser um gesto de amor que, pela nossa adesão, contínua a libertar e a dar vida aos nossos irmãos e irmãs que vivem mergulhados na escravidão do poder, da violência, da fome e da guerra.

Rezemos.

 

R.: Escutai, senhor, a nossa oração.

 

1. Eu ouvi a voz do Senhor que dizia:«Quem enviairei?», «Quem será o nosso mensageiro?»

2. Senhor, no mundo de hoje, a tua voz continua a interpelar e a chamar. Abre o nosso coração para que como Isaías digamos: «Eis-nos aqui, envia-me.» Rezemos.

 

1. "A quem iremos nós Senhor, Tu tens palavras de vida eterna.»

2. Senhor, neste mundo que nos convida ao comodismo e individualismo, ajuda-nos a descobrir o amor que tens por nós. Não obstante os nossos limites e incertezas, faz germinar em nós, á semelhança de Cristo, sementes de amor sincero a Ti e ao próximo. Rezemos.

 

1. Zaqueu procurava ver Jesus e, por causa da multidão, subiu a um sicómoro.

2. Senhor, são muitas as barreiras que nos impedem de te ver. Que o teu Espírito nos empurre para te encontrar e seguir, repartindo os bens da nossa vocação copm todos os homens e mulheres de hoje. Rezemos.

 

1. "Eis a escrvava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra."

2.  Senhor, que a tua palavra supere a nossa dúvida para que, conhecendo-Te melhor, possamos ser tuas testemunhas, partilhando a alegria de sermos teus disicipulos. Rezemos.

 

6. Pai Nosso

Presidente: Pai Nosso...

 

Para que o teu nome seja santificado,

- dá-nos o teu Espírito de santidade.

 

Para que venha a nós o teu reino,

- escolhe profetas dentro de nós.

 

Para que a tua vontade seja feita,

- chama joens como nós para seguir-te.

 

Para que o teu pão seja repartido,

- escolhe dentre nós servidores da partilha.

 

Para vivermos o perdão,

- livra-nos de cairmos na tentação do desânimo.

 

Por Cristo que é teu Enviado, teu Filho e nosso Irmão.

 

7. Despedida e canto final

 

Depois de terminada esta Vigilia Vocacional e Missionários os jovens do nosso grupo e do grupo JUFRA enriqueceram-se com esta oração e sobretudo com as palavras dos Missionários Combonianos, que nos deram um grande testemunho sobre o que é estar em Missão e a importãncia de Envangelizar e ajudar quem mais precisa...

 

Fica aqui para terminar mais algumas coisas sore os Combonianos em Portugal...

 

- Queres aprofundar mais e saber como Deus te chama?

Dá uma olhadela:

www.combonianos.pt

www.jovensemissao.blogspot.pt

www.deus-amor.blogspot.pt

ww.audacia.org ou www.alemmar.org - Revistas para jovens dos Combonianos.

 

Não deixem de visitar....

 

Até breve e bom Domingo.

Publicado por gjemanuel-chaves às 11:11
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Sábado, 18 de Julho de 2009

Notas sobre a Reunião de Quinta-feira do Grupo...

Na quinta feira à noite o nosso grupo reuniu-se pelas 21.30 na Casa da Irmã Efigénia para discutir o Encerramento de mais um ano do grupo, (2008/09). Este tipo de convívio serve para se debater e relfectir como foi o ano para cada um dos elementos do grupo e ao mesmo tempo, criar momentos de convivio e de maior amizade entre todos.

O Encerramento deste ano irá se realizar dia 1 de Agosto - sábado e terá o seguinte programa:

- 18:00 - Chegada de todos os jovens à Casa da Irmã EGigénia

- 18:30 - Oração na capela. Esta oração inclui reflexão por parte de todos, onde se segue a avaliação do ano do grupo.

- 19:00 - Perspectivas do próximo ano de actividades do grupo de jovens - 2009-2010.

- 20:00 - Jantar num restaurante da cidade a designar.

Depois do Jantar segue-se o convívio entre todos pela noite....

 

Este encerramento esperamos além de conviver, conseguir criar e estabelecer ideias para consolidar o grupo para o futuro, conseguindo que este tenha mais jovens e que seja mais participativo em actividades na Paróquia.

 

Em breve traremos mais destaques sobre o Encerramento do Grupo...

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 15:53
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

Oração de Natal de 23 de Dezembro de 2004

Hoje apresentamos a oração de Natal que foi feita para celebrar o Natal no grupo. Foi apresentada no dia  23 de Dezembro de 2004.

Cântico: Festa de Natal

Introdução:

“O tempo passa.

Mais um final de ano se aproxima.

Celebramos mais um natal.

E assim o tempo vai passando…

Em meio a incertezas, angústias e inseguranças.

Mas também com muita luta, esperança e inseguranças.

Mas também com muita luta, esperança e fé!

Pois, sem esperança não haveria luta;

Sem a certeza do amor de Deus, presente na história e nas lutas não haveria vida.

Na escuridão da crise, do medo, da fome, e dos sofrimentos, nasce uma nova luz.

Transformando a noite escura em noite feliz…

Jesus nasceu!

Nasce uma nova esperança.

Brilha uma nova luz. A paz é possível.

Um futuro novo se faz presente…

Jesus nasceu!

O amor de Deus continua vivo no meio de nós.

 

·         Glória a Deus no mais alto dos céus e na terra paz aos homens. (Lc. 2, 14)

Foi com este anúncio que a multidão dos anjos anunciou sobre a campina de Belém, há dois mil anos, no primeiro Natal da humanidade, o nascimento do Menino Deus, do Salvador da humanidade pelos judeus ansiosamente esperado. Natal, pois é sinonimo de paz, de harmonia, de amor entre os homens. Mais uma vez neste Natal de 2004 gostaríamos que o pregão dos anjos de há dois mil anos fosse hoje realizado para que Natal pudesse ser no coração dos homens de nossos dias.

Mas como poderá ser “natal” num mundo onde conflitos bélicos alastram em parcelas da terra; quando o terrorismo ameaça todos os homens culpados ou inocentes da actual situação da humanidade, por toda a parte; quando em nome do mesmo Deus se cultiva o ódio, a destruição e a vingança; quando a maioria daqueles que têm responsabilidade dos destinos da humanidade rejeitam a Boa Notícia do Menino do Presépio e orientam a humanidade por ideologias de destruição e de materialismo feroz; quando a ambição material desregrada dos homens destrói a juventude de hoje quase imponentemente pela moral e religiosa; quando a injustiça se pratica, a violência se cultiva, a marginalização e exclusão dos homens, povos e raças se fomenta; quando milhares de homens morrem à fome diariamente enquanto somos fabulosas de dinheiro se esbanjam?!...

Vão realizar-se muitas ceias de Natal, muitas festas ruidosas comemorativas do evento de há dois mil anos, muitas luzes embelezando as ruas, as cidades e as casas, muitas festas familiares, muita música própria desta época, muitos estabelecimentos comerciais repletos de pessoas a comprar prendas para comemorar o acontecimento mas a maior parte dos homens e sobretudo dos jovens continuarão longe, ausentes de Deus!...

Eu como jovem cristão recuso-me a aceitar este Natal paganizado, tornado farsa de festa dos interesses materiais e comerciais desta sociedade de consumo, e lanço o desafio a todos os jovens deste grupo para que este ano destruam no seu coração falso e ilusório Natal e façam nele crescer a Deus Menino do Presépio de Belém através do AMOR.

Mais uma vez vai acontecer Natal na humanidade mas em muitos poucos homens haverá nascimento de Cristo Salvador, haverá Natal.

 

Dinâmica: Como viver o Natal?

- Cada um vai expressar a forma de celebrar o Natal redigindo um feliz Natal aos elementos que desejar. Para isso vamos apresentar um texto – modelo.

Feliz Natal!

Feliz Natal para ti, Joana, que te sentes só, mesmo quando estás rodeada de muita gente e para ti João Paulo, preso a um leito depois de um acidente.

Feliz Natal para ti, Anabela, que andas preocupada por não teres namorado e para ti, Sofia, que no meio de tantos presentes nem sequer vês o mais importante que é o menino Jesus.

Feliz Natal para Ti, André, que perdeste o pai há precisamente um mês, e para ti, Cristina, que te sentes feliz porque feliz, porque as coisas te correm bem.

Feliz Natal para ti, Patrícia, que tens uma família onde reina o amor e para ti, Inês, que tens os pais separados e andas de um lado para o outro.

 

Depois de cada um desejar um feliz Natal aos membros do grupo serão recolhidos e lidos todos os papéis.

 

Feliz Natal para a Irmã Maria José, que embora longe estará sempre presente nos nossos corações, esperamos que continue a cativar os jovens tal como fez connosco.

Feliz natal para si, Irmã Efigénia, que embora doente tem conseguido acompanhar-nos ao longo da nossa caminhada e de quem esperamos apoio para o futuro.

Feliz Natal para si, Irmã Elisabete, que ainda agora chegou e de quem esperamos que tenha muito para nos dar.

Feliz Natal para a Irmã Elisabete que longe de nós e junto dos seus familiares festeja esta quadra natalícia com muita paz e alegria.

Feliz Natal para todos os elementos do grupo de jovens, tanto os que por aqui passaram como aqueles hoje presentes, que continuem sempre unidos para enfrentar os desafios que a caminhada em grupo implica.

Para todos e para todas desejamos que cada um de vós se sinta ao seu lado a presença de Cristo vivo, que um dia nasceu no presépio mas que ressuscitou e vive.

A todos, Feliz Natal!

·         Decálogo

Se estás triste, procura sorrir! Natal é alegria.

Se tens inimigos, reconcilia-te. Natal é encontro.

Se tens pobres ao teu lado, ajuda-os. Nata, é dom.

Se tens soberba, liberta-te dela. Natal é humildade.

Se tens dívidas, procura pagá-las. Natal é justiça.

Se tens pecados, converte-te. Natal é renovação.

Se vives na escuridão, busca a claridade. Natal é luz.

Se tens dúvidas de fé, reflecte e pede conselho. Natal é verdade.

Se tens ódio a alguém, esquece-o. Natal é amor.

·         Cântico: Glória in excelsis Deo

·         Para terminar: receita de Natal:

1.      Tom mais suave e feliz de voz do que ordinário.

2.      5 Euros de paciência.

3.      4 Capas de amabilidade (que sejam boas capas).

4.      2 Olhos brilhantes (em algum momento poderiam ter uma lágrima de alegria).

5.      1 Chávena inteira de bom-humor, misturado com música natalícia.

6.      1 Sorriso fraterno (de orelha a orelha).

7.      1 Colherada de perdão

8.      2 Chávenas de serviço em casa (por exemplo: preparar a árvore de Natal e montar o presépio).

9.      Pequeno toque de ternura (seja ela feminina ou masculina).

E que não falte ninguém à festa.

Tudo isto misturado com a fé cristã porque Deus quis habitar no meio de nós e revelar o seu imenso amor para connosco. Por isso, estamos contentes e faremos Natal todo o ano.

 

Entrega do Amigo Secreto

·         Para iniciar: Jogral

1.      Neste Natal arranja tempo para escutar a palavra de deus.

2.      A palavra é para nós a verdade acerca da nossa existência.

3.      Neste Natal arranja tempo para rezar ao Senhor Deus.

4.      A oração é o alimento necessário de todo o cristão.

5.      Neste Natal arranja tempo para o silêncio de contemplação.

6.      No silêncio saboreamos melhor o mistério do nascimento de Jesus.

7.      Neste Natal arranja tempo para te libertares do egoísmo.

8.      Os anjos de Belém no primeiro Natal cantaram a paz.

9.      Neste Natal arranja tempo para respeitar as pessoas tais como são.

10.  Respeitando cada pessoa estás a respeitar a Deus.

11.  Neste Natal arranja tempo para sorrir e cantar.

12.  Jesus veio para animar uma grande festa nos nossos corações.

13.  Neste Natal arranja tempo para ajudar os outros sendo serviçal.

14.  A fraternidade pertence á mensagem do Menino de Belém.

15.  Neste Natal arranja tempo para sonhar com um mundo melhor.

16.  Jesus necessita de ti para continuar a realizar o seu projecto.

Entrega das prendas do Amigo Secreto

 

Nota: O Amigo Secreto realiza-se por altura do Natal e em viagens que o Grupo de Jovens faça. Este jogo funciona da seguinte forma:

- Encontram-se em papéis os nomes de todos os elementos do grupo.

- Cada jovem do grupo retira um papel com o nome de um elemento do grupo.

- De entre todos os jovens do grupo, ninguém sabe quem é o seu amigo secreto, pode simplesmente adivinhar ou desconfiar, mas não sabe...

- Ao longo das semanas que se sucedem até á realização da festa de Natal onde se realiza a descoberta do amigo secreto, cada elemento vai enviando cartas e outras coisas ao seu amigo, sem que este descubra quem lhe envia as cartas.

 

Este é um jogo que tem por finalidade, fazer com que todos os jovens do grupo, se conheçam melhor e que fortaleçam os laços de amizade entre todos.

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 16:52
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 14 de Julho de 2009

Festival JOTA - Parte 2

Aqui fica o spot do Festival JOTA deste ano...

 

 

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 18:11
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

JOTA - Festival Católico de Verão - 24 a 26 de Julho

Divulgamos agora um grande festival de Verão, que se diferencia de todos os Festivais que acontecem em Portugal, (quer sejam festivais de rock, de jazz ou pop), não retirando o valor que esses festivais têm, simplesmente o Festival que agora apresentamos é o Festival JOTA - Festival Católico de Verão.

Falamos agora um pouco sobre este Festival e como ele é constituido...

 

 

 

 

 

«620 pessoas já se inscreveram para a 3ª edição do Festival Jota, o maior evento de música cristã realizado em Portugal. Este ano, a iniciativa decorre entre 24, 25 e 26 de Julho, na Praia de São Jacinto, Aveiro.

Segundo a organização, a adesão à primeira fase "superou todas as expectativas". O número promete crescer ao longo dos próximos 12 dias. As inscrições continuam abertas, para os três dias de concertos e actividades, com um acréscimo de 5€.

Além deste bilhete geral estima-se que um grande número de pessoas se possa juntar a este evento a partir das 21h00 para assistir aos concertos das duas noites do festival.

O preço em cada uma das noites é de 5€ e dá acesso aos concertos, à Cristoteca e a todos os espaços da Aldeia Jota.

Voluntários

Um acontecimento como o Festival Jota, que cativa e movimenta centenas de jovens de todo o país, só é possível graças a equipas de trabalho que de forma sistemática vão preparando e garantindo todas as necessidades para os 3 dias de festa.

Do acolhimento à assistência de palcos, passando pela limpeza, workhops, animação, comunicação, secretariado, todas estas equipas são formadas por jovens voluntários que têm dedicado o seu tempo, trabalho e talento, e outros que o farão exclusivamente nos três dias de festival, para que este encontro supere as expectativas.

A bolsa de voluntários inscritos soma mais de 70 inscritos para os três dias do Festival. Só com a generosidade de alguns se pode concretizar o desafio de descobrir que dando se recebe a dobrar.

Montra de talentos

À semelhança dos anos anteriores o Jota 2009 tem um espaço para a descoberta de novos talentos. Em São Jacinto o palco das novas revelações assume o nome de "Palco Prozinco", por lá passarão 7 bandas que estão a dar os primeiros passos no panorama da música cristã.

Estas bandas terão a oportunidade de mostrar o seu trabalho ao grande público, num programa que este ano os apresenta intercalados com os artistas do cartaz 2009.

A Prozinco, como empresa patrocinadora do Festival Jota 2009, patrocina esta montra e dá as boas-vindas às bandas revelação 2009.»

 

Nota: Informações deste post e do post seguinte em site da Eclesia e site e blog oficial da JOTA - http://festivaljota2009.blogspot.com/ e http://www.festivaljota.com/

 

Não deixes de te inscrever no site da JOTA para este Festival Católico de Verão!

Publicado por gjemanuel-chaves às 18:01
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

Nova Enciclica de Bento XVI - "Caritas In Veritate"

Apresentamos de seguida a nova enciclica. Esta do Papa Bento XVI e que tem como tema: "Caritas In Veritate".

 

«Queridos irmãos e irmãs:

Minha nova encíclica, Caritas in veritate, que foi apresentada oficialmente ontem, inspira-se, em sua visão fundamental, em uma passagem da carta de São Paulo aos Efésios, na qual o apóstolo fala sobre agir segundo a verdade na caridade: “Vivendo – acabamos de escutar – segundo a verdade, no amor, cresceremos sob todos os aspectos em relação a Cristo, que é a cabeça” (4, 15). A caridade na verdade é, portanto, a principal força propulsora para o verdadeiro desenvolvimento de cada pessoa e de toda a humanidade. Por isso, toda a doutrina social da Igreja gira em torno do princípio caritas in veritate.

Somente com a caridade, iluminada pela razão e pela fé, é possível alcançar objetivos de desenvolvimento com um valor humano e humanizador. A caridade na verdade “é um princípio à volta do qual gira a doutrina social da Igreja, princípio que ganha forma operativa em critérios orientadores da ação moral” (n. 6). A encíclica alude imediatamente, na introdução, a dois critérios fundamentais: a justiça e o bem comum. A justiça é parte integrante desse amor “com ações e de verdade” (1 Jo 3, 18), à qual exorta o apóstolo João (cf. n.6). E “amar alguém é querer o seu bem e trabalhar eficazmente pelo mesmo. Ao lado do bem individual, existe um bem ligado à vida social das pessoas (...).Ama-se tanto mais eficazmente o próximo, quanto mais se trabalha em prol de um bem comum”. Portanto, dois são os critérios operativos: a justiça e o bem comum; graças a este último, a caridade adquire uma dimensão social. A encíclica diz que todo cristão está chamado a esta caridade e acrescenta: “este é o caminho institucional (...) da caridade” (cf. n. 7).

Como outros documentos do Magistério, também esta encíclica retoma, continua e aprofunda a análise e a reflexão da Igreja sobre questões de vital interesse para a humanidade do nosso tempo. De modo especial, enlaça-se com aquilo que Paulo VI escreveu, há mais de 40 anos, na Populorum progressio, pedra angular do ensinamento social da Igreja, na qual o grande pontífice traça algumas linhas decisivas – e sempre atuais – para o desenvolvimento integral do homem e do mundo moderno. A situação mundial, como amplamente demonstra a crônica dos últimos meses, continua apresentando muitos problemas e o “escândalo” de desigualdades clamorosas, que permanecem apesar dos compromissos adotados no passado.

Por um lado, registram-se sinais de graves desequilíbrios sociais e econômicos; por outro, invocam-se de muitas lugares reformas que não podem demorar mais tempo para superar a brecha no desenvolvimento dos povos. O fenômeno da globalização pode, neste sentido, constituir uma oportunidade real, mas por isso é importante que se acometa uma profunda renovação moral e cultural e um discernimento responsável sobre as escolhas que precisam ser feitas para o bem comum. Um futuro melhor para todos é possível quando se funda na descoberta dos valores éticos fundamentais. É necessária, portanto, uma nova projeção econômica que volte a desenhar o desenvolvimento de forma global, baseando-se no fundamento ético da responsabilidade diante de Deus e diante do ser humano como criatura de Deus.

A encíclica certamente não visa a oferecer soluções técnicas para as grandes problemáticas sociais do mundo atual – não é da competência do magistério da Igreja (cf. n. 9). Esta recorda, no entanto, os grandes princípios que se revelam indispensáveis para construir o desenvolvimento humano nos próximos anos. Entre estes, em primeiro lugar, a atenção à vida do homem, considerada como centro de todo verdadeiro progresso; o respeito do direito à liberdade religiosa, sempre unido intimamente ao desenvolvimento do homem; a rejeição de uma visão prometeica do ser humano, que o considera artífice absoluto do seu próprio destino. Uma ilimitada confiança nas potencialidades da tecnologia seria finalmente ilusória. É preciso contar com homens retos, tanto na política quanto na economia, que estejam sinceramente atentos ao bem comum.

Em particular, vendo as emergências mundiais, é urgente chamar a atenção da opinião pública diante do drama da fome e da segurança alimentar, que afeta uma parte considerável da humanidade. Um drama de tais dimensões interpela nossa consciência: é necessário enfrentá-lo com decisão, eliminando as causas estruturais que o provocam e promovendo o desenvolvimento agrícola dos países mais pobres. Tenho certeza de que esta via solidária ao desenvolvimento dos países mais pobres ajudará a elaborar um projeto de solução da crise global atual.

Sem dúvida, é preciso revalorizar atentamente o papel e o poder político dos Estados, em uma época em que existem, de fato, limitações à sua soberania por causa do novo contexto econômico-comercial e financeiro internacional. E por outro lado, não deve faltar a participação dos cidadãos na política nacional e internacional, graças também a um compromisso renovado das associações dos trabalhadores chamados a instaurar novas sinergias no âmbito local e internacional. Um papel de primeiro nível desempenha, também neste campo, a mídia, para a potencialização do diálogo entre culturas e tradições diversas.

Querendo, portanto, programar um desenvolvimento não viciado pelas disfunções e distorções hoje amplamente presentes, impõe-se, por parte de todos, uma séria reflexão sobre o sentido da economia e sobre suas finalidades. Exige-o o estado de saúde ecológica do planeta; pede-o a crise cultural e moral do homem, que aparece com evidência em cada lugar do globo. A economia tem necessidade da ética para seu funcionamento correto; precisa recuperar a importante contribuição do princípio de gratidão e da “lógica do dom” na economia do mercado, em que a regra não pode ser o próprio proveito. Mas isso só é possível graças ao compromisso de todos, economistas e políticos, produtores e consumidores, e pressupõe uma formação das consciências que dê força aos critérios morais na elaboração dos projetos políticos e econômicos.

Justamente, de muitas partes se apela ao fato de que os direitos pressupõem deveres correspondentes, sem os quais os direitos correm o risco de transformar-se em livre arbítrio. É necessário – repete-se cada vez mais – um estilo diferente de vida por parte de toda a humanidade, no qual os deveres de cada um com relação ao ambiente se unam aos da pessoa considerada em si mesma e em relação com os demais. A humanidade é uma só família e o diálogo fecundo entre fé e razão não pode senão enriquecê-la, tornando mais eficaz a obra da caridade no social, constituindo, além disso, o marco apropriado para incentivar a colaboração entre crentes e não-crentes, na perspectiva compartilhada de trabalhar pela justiça e pela paz no mundo.

Como critérios-guia por esta interação fraterna, na encíclica indico os princípios de subsidiariedade e de solidariedade, em íntima conexão entre si. Sublinhei, finalmente, frente a problemáticas tão vastas e profundas do mundo de hoje, a necessidade de uma autoridade política mundial regulada pelo direito, que se atenha aos mencionados princípios de subsidiariedade e solidariedade e que esteja firmemente orientada pela realização do bem comum, no respeito às grandes tradições morais e religiosas da humanidade.

O Evangelho nos recorda que não só de pão vive o homem: não só com bens materiais se pode satisfazer a profunda sede do seu coração. O horizonte do homem é, sem dúvida, mais alto e mais vasto; por isso, todo programa de desenvolvimento deve ter presente, junto ao material, o crescimento espiritual da pessoa humana, que está dotada de alma e corpo. Este é o desenvolvimento integral, ao que constantemente se refere a doutrina social da Igreja, desenvolvimento que tem seu critério orientador na força propulsora da “caridade na verdade”.

Queridos irmãos e irmãs, oremos para que também esta encíclica possa ajudar a humanidade a sentir-se uma única família comprometida em realizar um mundo de justiça e paz. Oremos para que os crentes, que trabalham nos setores da economia e da política, advirtam quão importante é a coerência do seu testemunho evangélico no serviço que oferecem à sociedade. Particularmente, convido-vos a rezar pelos chefes de Estado e do governo do G8, que se reúnem nestes dias em L’Aquila. Que desta importante cúpula mundial brotem decisões e orientações úteis para o verdadeiro progresso de todos os povos, especialmente dos mais pobres. Confiamos estas intenções à maternal intercessão de Maria, Mãe da Igreja e da humanidade.»

 

Lembramos que esta enciclica já teve diversos comentários de todo o mundo, todos eles, com apreciação postiva acerca da Enciclica do papa Bento XVI.

Deixa-nos também a tua opinião sobre esta Enciclica: "caritas In Veritate".

 

Fonte: In http://www.zenit.org/article-22099?l=portuguese 

 

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 17:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

Oração - As Máscaras

Cântico: Amigo

Texto: O espantalho

«Uma vez um pintassilgo foi ferido numa asa por um caçador. Durante algum tempo conseguiu sobreviver com aquilo que encontrava. Depois, terrível e gélido, chegou o Inverno.

Uma fria manha, procurando alguma coisa para meter no bico, o pintassilgo pousou num espantalho. Era um espantalho muito amigo de todas as aves do céu. Tinha um corpo de palha metido num velho fato de cerimónia; a cabeça era uma grande abóbora laranja e duas nozes com olhos. O espantalho, gentil como sempre, perguntou-lhe:

- Que te aconteceu, pintassilgo?

O pintassilgo suspirou:

- O frio está a matar-me e não tenho onde me refugiar. Para não falar da alimentação. Penso que não chegarei á primavera.

- Não tenhas medo. Refugia-te aqui debaixo do meu casaco. A minha palha está seca e quente.

E assim, o pintassilgo encontrou uma casa no coração de palha do palhaço. Ficava o problema do alimento. Era cada vez mais difícil para o pintassilgo encontrar sementes.

Um dia em que tudo estava coberto de geada, o espantalho disse-lhe docemente:

- Pintassilgo come os meus dentes: são óptimos grãos de milho.

- Mas tu ficaras sem boca!

- Parecerei muito mais sábio.

O espantalho ficou sem boca, mas estava contente porque o seu pequeno amigo vivia. E sorria-lhe com os olhos de noz. Alguns dias depois foi a vez do nariz de cenoura. Disse-lhe:

- Come-o. É rico em vitaminas.

- Chegou depois a vez das nozes que serviam de olhos. Disse o espantalho ao amigo pintassilgo:

- Basta-me ouvir os teus contos.

Finalmente ofereceu também a abóbora que servia de cabeça.

Quando chegou a primavera, o espantalho já não existia. Mas o pintassilgo estava vivo e voava no céu azul.

 

(momento de reflexão)

Preces:

1 – Na sociedade de ilusões em que vivemos ajuda-nos Senhor a distinguir o real do imaginário.

2 – Dá-nos força, Senhor, para separar o obstáculo que é fraqueza humana.

3 – Ensina-nos Senhor a demonstrar o melhor que há em nós, sem utilizar disfarces que distorçam a nossa verdadeira identidade.

4 – Senhor que os nossos rostos não sirvam de abrigo para qualquer máscara, mas que sejam a imagem de nós próprios.

5 – Ajuda-nos Senhor a vencer as tentações da sociedade em que vivemos.

…SENHOR ESCUTA A NOSSA ORAÇÃO…

Senhor escuta a nossa oração

Não é fruto de um momento passageiro

Nem uma obrigação para contigo

Ela brota do mais intimo do coração;

Do desejo e busca para estar a teu lado.

A nossa oração surge de corações

Ardentes de amor por ti

Ao teres sentido nas nossas vidas

O teu infinito amor para connosco.

A nossa oração, é Senhor,

A súplica do pobre que tudo espera de ti;

A oração do mendigo que sabe que para viver

Nós Senhor, somos a pobreza.

Tu a riqueza.

 

Pai Nosso…

Cântico: Na longa estrada

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 17:34
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 13 de Julho de 2009

Oração - Celebração de Natal 10.º Catecismo

Hoje o tema retepe-se no que diz respeito a outra oração que se fez no grupo, por altura do Natal, com os jovens que estariam nesse ano a fazer o 10.º Catecismo na nossa Paróquia.

 

Cântico: Cristãos alegria que nasceu Jesus,

A virgem Maria no-Lo deu à Luz.

Jesus, Jesus, saudemos Jesus,

Jesus, Jesus, saudemos Jesus.

 

Introdução: Porque celebrar Natal?

Montagem: Mas é Natal?

Exploração dialogada da montagem e do cartaz

Cântico: Ah, vinde todos á porfia,

Cantar um hino de louvor,

Hino de paz e de alegria,

Que os anjos cantam ao Senhor!

 

Glória In Excelcis Deo!

 

Momento de Oração

 

A poucos dias de Natal, fazemos esta celebração para expressar o nosso desejo que Jesus venha mais uma vez e faça brilhar sobre nós a sua luz e salvação, sobre nós e sobre o mundo inteiro.

(acende-se neste momento as velas da coroa do advento)

 

Leitura do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo S. Lucas

“Quando os Anjos se afastaram deles em direcção ao céu, os pastores disseram uns aos outros:

Vamos a Belém ver o que acontece e o Senhor nos deu a conhecer.

Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura.

Depois de terem visto, começaram a espalhar o que lhes tinham dito a respeito daquele Menino. Todos os que ouviram se admiraram do que lhes diziam os pastores.

Quando a Maria, conservava todas estas coisas, ponderando-as no seu coração.

E os pastores voltaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham visto e ouvido, conforme lhes fora anunciado.”

 

- Palavra da Salvação

- Comentário á celebração

- Jogral

Cat. 1: Jesus veio até nós para ser a Luz que nos transporta para o infinito, que nos vem iluminar para sairmos das trevas e caminharmos na Luz.

Pai: A grande Luz brilhou na escuridão.

Cat. 1: Ele é a luz verdadeira que ilumina todo o Homem.

Cat. 2: Ele diz: “Eu sou a Luz do Mundo; quem me segue não anda nas trevas, mas terá a luz da vida.”

Todos: Brilhe, Senhor, a Tua Luz sobre as nossas vidas.

Pai 2: Cristo é a irradiação da Glória do pai.

Cat. 3: Onde está a Luz verdadeira, não pode existir a morte.

Pai 1: Ver a Luz do Mundo significa nascer de novo.

Todos: Brilhe, Senhor, a Tua Luz sobre as nossas vidas.

Cat. 2: Na tua Luz, Senhor, veremos a Luz.

Pai 2: Desejamos ver e experimentar a Tua Salvação.

Cat. 3: Tu és a Luz dos justos e a alegria dos tristes.

Todos: Brilhe, Senhor, a tua Luz sobre as nossas vidas.

 

Cântico: Cantem, cantem os Anjos a deus um Hino;

Cantem, cantem os homens a deus Menino

Cantem, cantem os Anjos a Deus um Hino;

Cantem, cantemos todos ao Deus Menino.

 

Preces

Celebrante: Neste tempo, em que Deus nosso salvador manifestou a Sua bondade para connosco rezemos-lhe com confiança:

Cat. 4: Para que a Igreja seja como que uma estrela de Natal, a orientar a humanidade pelos caminhos da Salvação, Oremos.

Cat. 5: Para que os responsáveis das nações orientem a sua acção pelos valores da verdade, da justiça e da paz, Oremos.

Cat. 6: Para que todos os que sofrem, lutam e chorem neste tempo natalício encontrem a solidariedade e o amor de todos os seus irmãos, Oremos.

Cat. 7: Para que todos nós saibamos viver o mistério da encarnação na alegria e também no empenho por uma vida mais evangélica, Oremos.

 

Celebrante: Senhor no Vosso amor infinito deste-nos o vosso filho.

Ajudai-nos a melhor o conhecer e amar. Ele vive connosco na unidade do Espírito Santo.

Amén.

 

Texto: (Leitura feita por um catequista)

 

O Meinino nasceu, mas o Natal ainda não se cumpriu.

Deus entrou na humanidade, é um facto que celebramos, mas não foi senão o começo da obra empreendida por Deus.

O nascimento de Jesus é o inicio de uma lenta transformação no sentido de fazer de todos os homens filhos de Deus e de fazer do mundo uma casa onde habite o amor e a paz.

Por isso, não fiqueis parados a olhar para o presépio.

Ide e recomeçai mais uma vez de novo:

Ultrapassai as vossas limitações

Porque está convosco a acção do espírito Santo.

Como os anjos, anunciai a paz e a alegria.

Como os pastores, levai aos outros a Boa Nova.

Como Maria, colaborai no projecto de Deus.

Ide e fazei Natal.

 

 Bom Domingo para todos...

 

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 15:31
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Sábado, 11 de Julho de 2009

Oração - Celebração de Natal 2001

Depois de se passar todas as orações do formato papel para o computador, que tinhamos reunidas  e que foram sendo feitas no grupo ao longos dos anos.

Daqui para frente e ao longo do Verão, (tempo em que o grupo "para" para férias de todos os jovens do grupo) iremos apresentar todas as orações músicas que cantamos na Eucarísita das 11.30 na nossa Paróquia.

A oração que apresentamos é de uma celebração de Natal apresentada em 2001.

 

 

Até amanhã com mais novidades...

 

 

Entrada na Igreja com música de fundo, (músicas de Natal)

 

Orientador:

- O povo andava nas trevas, vivia na escuridão.

- Para nós, aqui e agora, que significa escuridão?

 

Para mim:

1.      Significa medo.

2.      É não ver o caminho a seguir na vida.

3.      É o mesmo que ser cego, mesmo tendo vista.

4.      É viver uma vida superficial.

5.      É ter medo do futuro.

6.      É não ver os outros nem a Deus.

7.      É não levar luz às trevas e esperança aos desiludidos.

8.      É não saber tornar felizes os irmãos.

9.      É não saber dar-se.

10.  Significa não acolher os irmãos, nem aceitá-los como eles são.

11.  É não poder dar aquilo que os outros gostam de receber.

12.  É não ter as mãos vazias de mim e o coração cheio de Ti.

13.  É não dar vida e calor, e não encontrar alegria na alegria dos outros.

14.  É não viver cada dia como sendo natal.

15.  É não destruir as barreiras que nos separam uns dos outros.

16.  É não conservar sempre acesa a lâmpada da nossa fé durante todos os dias da nossa vida.

17.  É não deixar nascer uma flor quando a acolhemos no intimo do coração.

18.  É não ir ao encontro do irmão que precisava de mim naquele momento.

19.  É não estarmos em paz connosco nem com os que vivem ao nosso redor.

Cântico:

Refrão: É preciso renascer

Deixai ódios, violências

É preciso renascer.

 

Orientador:

- O povo que andava nas trevas viu uma grande luz.

- Quereis também viver à luz de Cristo, o novo Sol?

 

Quero:

1.      Descobrir a Cristo com a luz na minha vida.

2.      Viver na amizade.

3.      Libertar-me de tudo o que é egoísmo.

4.      Evitar todas as maldades e todo o pecado.

5.      Viver na alegria.

6.      Escutar a palavra do Senhor.

7.      Dar-me a Ti sem medida quando Te reconheço na pessoa dos irmãos.

8.      Dar-Te absolutamente tudo quanto me pedires, muito ou pouco, pequeno ou grande…

9.      Ser planta bonita no jardim da Igreja, mesmo que tenhas de me podar constantemente.

10.  Que a minha vida seja um “sim”.

11.  Ser para Ti, dom, pela entrega de toda a minha vida.

12.  Que a minha vida seja uma soma fabulosa de acções e doas obras.

13.  Que o meu viver na terra seja um constante progredir na santidade.

14.  Em cada minuto da minha vida, morrer para tudo o que é pecado, para viver em Ti, que és a Vida.

15.  Que toda a minha vida, no presente e no futuro, seja luz de amor que alumie todos os meus irmãos na caminhada para Ti.

16.  Um viver que não se detenha no meu corpo, nem nunca se esconda no meu pequeno “eu” e sempre Te procure.

17.  Seguir-Te, desde hoje, passo a passo, até ao fim da minha jornada terrena.

18.  Que a partir de hoje, a minha alma seja uma Jerusalém santa, onde encontres fidelidade, satisfação, amor…

19.  Amar-Te, servir-Te e viver em generosidade, para que nunca mais responda negativamente ao ouvir o Teu apelo.

Cãntico:

Refrão: Eu venho para escutar

Tua palavra

Tua palavra de amor.

 

Leitura do Livro do Profeta Isaías (9, 1-2.5)

«O povo que andava nas trevas viu uma grande luz. Habitavam numa terra de sombras, mas uma luz brilhou. Multiplicaste a alegria, aumentaste o seu júbilo. Porque um menino nasceu para nós e este é o seu nome: Conselheiro admirável, Deus poderoso, Pai eterno, Príncipe da paz.»

Palavra do Senhor.

R/ Graças a Deus.

 

“Porta Fechada”

Cai a tarde de um dia de Dezembro. Um casal jovem caminha pelas ruas estreitas e pedregosas de Belém. A esposa é uma moça de quinze anos, bonita como nenhuma outra mulher, cheia de graça divina, superior a todas as criaturas. Chama-se Maria…

O marido é uma alma simples, homem justo, escolhido por Deus para grandes coisas. Chama-se José…

Este santo casal chega à aldeia belenita, onde nasceram os seus antepassados.

Têm ali as suas famílias conhecidas.

Como Maria estás prestes a ser mãe, a grande preocupação de José, depois daquela longa viagem desde Nazaré, é procurar um albergue onde passar a noite, aguardando dia seguinte.

Batem à porta de parentes, amigos, conhecidos…Em nenhuma casa há lugar para eles, nem mesmo na pousada…Todas as portas se fecham para eles! José e Maria deveriam ter sentido uma profunda dor no seu coração, uma dolorosa pena na sua alma.

Jesus vinha aos seus, aos seus escolhidos, mas “os seus não O receberam”. Durante séculos aguardaram a vinda de um grande libertador; o verdadeiro Salvador bate á porta das suas casas e elas fecham-se…E Jesus teve de nascer numa gruta abandonada…Foi este o palácio do Senhor! Ali não havia mais que a escuridão e frio.

“No albergue não havia lugar para eles” (Lc 2, 6).

Esta frase continua a ser dolorosa realidade. Depois de vinte séculos, continua a repetir-se, hoje, o quadro evangélico…Diante de quantos corações Cristo chama e não Lhes respondem! Quantos Lhes fecham as portas da sua vida, O expulsam para muito longe de suas casas, não querem ouvir alar d´Ele, sequer, porque O consideram um “desmancha-prazeres” que lhes amargura a vida.

Mas também é certo que Jesus continua a descobrir uma gruta de Belém onde pode nascer e descansar…

A tua alma é esta gruta?

Medita serenamente o texto que se segue:

Que tenho eu para que procures a minha amizade?

Que proveito daí tiras, Jesus meu, Tu que à minha porta, orvalhado pelo relento, passas as escuras noites de inverno?

Oh! Como foram duras as minhas estranhas, pois não Te abri!

Que estranha loucura, pois o gelo frio da minha ingratidão secou as chagas de teus pés duros!

Quantas vezes o anjo me dizia: alma, aproxima-te da janela; verás como quanto amor Ele porfia! E quantas vezes, soberana formosuras, eu respondia: «amanhã Te abrirei» e o mesmo no dia seguinte, eu respondia.

 

Talvez seja este retrato vivo do teu passado, Jesus bateu à porta da tua alma para viver em intimidade contigo. A tua resposta: amanhã. Fechaste-Lhe a porta e não Lhe ofereceste outra coisa senão o relanto da tua frieza, tacanhice, negação,…

Assim foram passando os dias da tua vida, com Cristo esperando a chegada do amanhã para poder entrar na tua alma, tomar posse dela e enche-la com a Sua Vida…

Quando chegará esse amanhã?

Hoje, como ontem, Jesus continua a chamar as almas. Mas, como em Belém, encontra muitas portas fechadas, porque não há lugar para Ele…

E agora encontra-se diante de Ti. Quer fazer da tua alma um berço vivo, cheio de luz, santidade e Vida…Mas nunca esqueças que Jesus quer a tua alma livre de todas aquelas criaturas que possam interromper a conversação íntima contigo…

Estás disposto a dar a Cristo um coração purificado de todo o afecto sem ordem, de tudo aquilo que é um obstáculo ao desenvolvimento da Vida divina?

Quando S. José viu a gruta cheia de teias de aranha, pó, sujidade, a primeira coisa que fez foi prepará-la para que Jesus, ao nascer, se encontrasse limpa…

Como se encontra a tua alma?

Ela é, tantas vezes, uma pousada! Nela entram, sem pedir licenças, muitas criaturas que aí encontram acolhimento e calor, lugar e amor que pertencem a Deus. A vaidade, o divertimento, o moço, a moça…Se queres que Cristo viva na tua alma começa por afastar dela toda a escuridão de criaturas que impedem a presença de Deus…

O Senhor nunca te proíbe de lidares com as criaturas que te rodeiam na vida, mas exige que nunca lhes entregues, desordenadamente, o coração que só a Ele pertence…

Cristo não quer, apenas, a tua alma nua de todo o afecto terreno; exige também um silêncio interior profundo, para que possas escutar a Sua voz e dialogar com Ele…

Não esqueças que Deus fala ás almas no meio do silêncio. No silêncio misterioso do deserto Moisés escuta a Palavra de Deus…No recolhimento do Cenáculo, os Apóstolos esperam a hora do “fogo”…

Se queres que Jesus entre na tua alma, começa por fazer silêncio; cerra os ouvidos aos apelos do mundo…Assim te dispões para ouvir Deus que te fala do mistério da Vida; conhecerás o trilho que leva á santidade; aprenderás a viver uma vida de intimidade com o Deus da tua alma. Desapegado de todo o afecto terreno; em silêncio interior. Assim se ouve o apelo do Senhor e se dialoga com Ele…

No dia em que Jesus nasceu os homens deram inicio a um novo calendário.

Hoje Cristo nasce na tua alma, talvez mais pobre e miserável do que na gruta de Belém. Mas…já é sua!

Também a partir de hoje tens de iniciar um novo calendário, uma Vida nova…

Tal calendário inicia-se em Cristo; tal Vida vive-se n`Ele…

 

Oração:

Bendito sejas, Jesus Eucaristia:

- Que foste o Menino do Presépio, deitado na manjedoura, adorado por pastores e por magos, cantado pelos anjos, como Salvador, e agora, continuando o mistério da pobreza e da humildade, está aí feito Pão do Céu.

- Que fostes o Menino do Presépio, na pobreza do curral de animais, no desconforto dos sem-casa, na privação dos pobres, e agora, em loucura de amor, queres continuar entre nós em pobreza eucarística, escondido no Pão do Altar.

- Que foste o Menino do Presépio, adorado, louvado, centro de atenções, e agora, mendigo de amor, nos convidas á presença, à amizade dialogante, à entrega generosa e alegre, dos nossos seres, das nossas vidas.

 

Gesto:

Para manifestar em comunidade o nosso desejo de viver o Natal com um coração novo, iremos fazer um gesto.

Passar de mão em mão uma vela acesa, dizendo ao colega a quem passa a vela:

- Cristo é a nossa Luz.

 

Conclusão:

- Recita-se o Pai Nosso e canta-se um cântico de Natal:

Noite feliz, noite feliz

O senhor, Deus de amor

Pobrezinho nasceu em Belém

Eis na lapa Jesus nosso bem

Dorme em paz Oh Jesus.  

Publicado por gjemanuel-chaves às 16:12
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 8 de Julho de 2009

Visita a Fátima - 1 e 2 de Maio de 2009

Olá! Depois de algum tempo com um problema técnico com o vídeo do Passeio a Fátima, que se realizou dia 1 e 2 de Maio deste ano, pelo nosso Grupo de Jovens, em conjunto com os Acólitos da nossa Paróquia, apresentamos hoje o vídeo dessa visita.

Desde já agradeçemos à Irmã Efigénia, Elisabete e Emília opr nos acompanharem e proporcionarem esta viagem a Fátima e podermos todos os jovens crescer em conjunto na Fé e como pessoas; além das Irmãs nos guiarem ao longo do ano nos respectivos grupos da Paróquia: Grupo de Jovens Emanuel e Grupo de Acólitos.

 

Espero que gostem...

 

 

 Um bom dia para todos e bom feriados para aqueles que estão em Chaves, já que hoje é Feriado Municipal em Chaves.

Publicado por gjemanuel-chaves às 15:41
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

Bento XVI advoga nova ordem política e financeira internacional

 

"Bento XVI defende na sua terceira encíclica, "Caritas in Veritate" (A caridade na verdade), uma nova ordem política e financeira internacional, para governar a globalização e superar a crise em que o mundo se encontra mergulhado.

No documento, tornado público esta terça-feira, o Papa apresenta como prioridade a "reforma quer da Organização das Nações Unidas quer da arquitectura económica e financeira internacional", sentida em especial "perante o crescimento incessante da interdependência mundial", mesmo no meio de uma "recessão igualmente mundial".

Em vésperas de mais uma reunião do G8, a nova encíclica diz que esta "verdadeira Autoridade política mundial", pedida no texto, teria como objectivos prioritários "o governo da economia mundial", o desarmamento, "a segurança alimentar e a paz", a defesa do ambiente e as regulações dos fluxos migratórios. Outra necessidade apontada é a de ajudar "as economias atingidas pela crise de modo a prevenir o agravamento da mesma e, em consequência, maiores desequilíbrios".

É sobretudo a questão financeira que merece um olhar atento neste documento, que identifica "tendência actuais para uma economia a curto, senão mesmo curtíssimo prazo" e assinala que "isto requer uma nova e profunda reflexão sobre o sentido da economia e dos seus fins, bem como uma revisão profunda e clarividente do modelo de desenvolvimento".

"Um dado é essencial: a necessidade de trabalhar não só para que nasçam sectores ou segmentos «éticos» da economia ou das finanças, mas também para que toda a economia e as finanças sejam éticas", assinala o documento, em que nunca aparece a palavra capitalismo.

Bento XVI considera que os "princípios tradicionais da ética social", como a transparência, a honestidade e a responsabilidade, continuam a ter lugar nos dias de hoje para enfrentar "problemáticas do desenvolvimento neste tempo de globalização", em especial perante a crise económico-financeira.

O documento indica que "também nas relações comerciais, o princípio de gratuidade e a lógica do dom como expressão da fraternidade podem e devem encontrar lugar dentro da actividade económica normal".

O Papa considera que todo o sistema financeiro "deve ser orientado para dar apoio a um verdadeiro desenvolvimento". "Há que considerar errada a visão de quantos pensam que a economia de mercado tenha estruturalmente necessidade duma certa quota de pobreza e subdesenvolvimento para poder funcionar do melhor modo", alerta.

Neste sentido, apela a uma regulamentação do sector capaz de impedir "especulações escandalosas", referindo que à luz da actual crise fica claro que "o progresso económico se revela fictício e danoso quando se abandona aos «prodígios» das finanças para apoiar incrementos artificiais e consumistas".

"E preciso que as finanças enquanto tais - com estruturas e modalidades de funcionamento necessariamente renovadas depois da sua má utilização que prejudicou a economia real - voltem a ser um instrumento que tenha em vista a melhor produção de riqueza e o desenvolvimento", aponta.

"A doutrina social nunca deixou de pôr em evidência a importância que tem a justiça distributiva e a justiça social para a própria economia de mercado", prossegue o texto, indicando que "sem formas internas de solidariedade e de confiança recíproca, o mercado não pode cumprir plenamente a sua própria função económica".

Bento XVI sublinha que a actual crise veio destacar ainda mais "anomalias e problemas dramáticos" presentes no desenvolvimento económico. "Cresce a riqueza mundial em termos absolutos, mas aumentam as desigualdades. Nos países ricos, novas categorias sociais empobrecem e nascem novas pobrezas", lamenta, falando ainda de "situações de miséria desumanizadora", corrupção e ilegalidade.

A encíclica aborda "pecados" económicos e critica a "convicção de ser auto-suficiente". Mais à frente, diz que "a convicção da exigência de autonomia para a economia, que não deve aceitar «influências» de carácter moral, impeliu o homem a abusar dos instrumentos económicos, até mesmo de forma destrutiva".

"É preciso evitar que o motivo para o emprego dos recursos financeiros seja especulativo, cedendo à tentação de procurar apenas o lucro a breve prazo sem cuidar igualmente da sustentabilidade da empresa a longo prazo", escreve Bento XVI.

No mesmo sentido, precisa-se que "o objectivo exclusivo de lucro, quando mal produzido e sem ter como fim último o bem comum, arrisca-se a destruir riqueza e criar pobreza".

"A economia tem necessidade da ética para o seu correcto funcionamento; não de uma ética qualquer, mas de uma ética amiga da pessoa", frisa o Papa.

Modelos para a globalização

A "sociedade em vias de globalização" é o alvo preferencial de várias considerações de Bento XVI na "Caritas in veritate". Olhado para as várias intervenções dos seus predecessores em matéria social, o actual Papa considera que a principal novidade do nosso tempo "foi a explosão da interdependência mundial, já conhecida comummente por globalização".

"A globalização - escreve - é um fenómeno pluridimensional e polivalente, que exige ser compreendido na diversidade e unidade de todas as suas dimensões, incluindo a teológica."

Bento XVI avisa que "o processo de globalização poderia substituir as ideologias com a técnica, passando esta a ser um poder ideológico", pedindo por isso uma "formação para a responsabilidade ética no uso da técnica".

O Papa não alinha com as "atitudes fatalistas" a respeito deste fenómeno, que mostra a realidade de "uma humanidade cada vez mais interligada". Ainda assim, declara que "é preciso corrigir as suas disfunções, tantas vezes graves, que introduzem novas divisões" e fazer com que "a redistribuição da riqueza não se verifique à custa de uma redistribuição da pobreza ou até com o seu agravamento, como uma má gestão da situação actual poderia fazer-nos temer".

"Na época da globalização, a actividade económica não pode prescindir da gratuidade, que difunde e alimenta a solidariedade e a responsabilidade pela justiça e o bem comum em seus diversos sujeitos e actores. Trata-se, em última análise, de uma forma concreta e profunda de democracia económica", observa Bento XVI.

Neste contexto, diz o Papa, "eliminar a fome no mundo tornou-se também um objectivo a alcançar para preservar a paz e a subsistência da terra". "Poderia revelar-se útil considerar as novas fronteiras abertas por um correcto emprego das técnicas de produção agrícola, tanto as tradicionais como as inovadoras, desde que as mesmas tenham sido, depois de adequada verificação, reconhecidas oportunas, respeitadoras do ambiente e tendo em conta as populações mais desfavorecidas", indica."

 

Nota: as informações para este tema deste post e do anterior foram retiradas do site da Eclesia - www.eclesia.pt

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 11:00
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

Bento XVI afirma que missão é prioridade da Igreja

Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Missões centra a evangelização como essência da Igreja

«Bento XVI pede a todas as Igrejas locais que a missão ad gentes seja "prioridade nos seus planos pastorais".

Na mensagem que o Papa escreve para o Dia Mundial das Missões, marcado este ano para o dia 18 de Outubro, sob o lema «As nações caminharão à sua luz», Bento XVI recorda a missão primeira da Igreja que é a de "iluminar todos os povos no seu caminhar na história rumo a Deus, para que encontrem n'Ele a sua plena realização.".

Nesse sentido, "a Igreja não age para ampliar o seu poder ou reforçar o seu domínio, mas para levar a todos Cristo, salvação do mundo".

"Como já dizia o apóstolo Paulo, o anúncio deve ser um compromisso urgente e inadiável". Sublinha ainda o Papa que apenas nesta missão "se compreende e se confirma o verdadeiro caminho histórico da humanidade".

Bento XVI especifica que a missão da Igreja não se limita a atender às "necessidades materiais ou mesmo espirituais confinadas à existência temporal".

Em especial com as "vastas e profundas mudanças da sociedade actual", torna-se ainda mais "urgente" renovar "o compromisso de anunciar o Evangelho, fermento de liberdade e progresso, de fraternidade, união e paz".

Na mensagem, o Papa não esquece os que "fizeram das suas vidas uma exclusiva consagração ao trabalho de evangelização". Bento XVI lembra as Igrejas locais, os missionários e missionárias que testemunham e evangelizaram em situações de "perseguição, com formas de opressão que vão desde a discriminação social até à prisão, à tortura e à morte".

Com a data de 29 de Junho, a mensagem para o Dia Mundial das Missões termina com o pedido de ajuda económica. "Especialmente neste período de crise que a humanidade está a viver", Bento XVI apela à comunhão para que as jovens Igrejas "tenham condições de iluminar as pessoas com o Evangelho da caridade".»

Publicado por gjemanuel-chaves às 10:56
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?

HEAL THE WORLD LEGENDA PORTUGUES....

Hoje apresentamos aqui dois pequenos vídeos de uma grande música de um grande cantor que nos deixou à pouco tempo - Michael Jackson.

É uma música que tem uma grande mensagem e que está legendada em português.

Ora vejam...

 

 

 

 

Publicado por gjemanuel-chaves às 10:49
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
 O que é? |  O que é?
BlogBlogs

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
23
24

25
26
27
28
29
30
31


Posts recentes

Santo Natal e Próspero An...

Atividades de Natal

Convívio de S. Martinho 2...

Benção das Camisolas

OBRIGADO(A) PELAS 0010005...

Resposta ao Comentário so...

Preparação para Domingo

Camisolas do Grupo

Reunião de 16 de Outubro

Reportagem sobre o Convív...

Arquivos

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

tags

todas as tags

Links

On-line

online

Visitas


View My Stats
blogs SAPO

subscrever feeds